domingo, 17 de abril de 2016

A base da economia




EVOLUÇÃO DA CONTABILIDADE









Para que se possa compreender com mais afinco a contabilidade, se faz necessário uma abordagem do início de suas profundas origens, pois só as origens darão uma melhor idéia para justificar os fatos presentes.

Pelo fato do homem não saber escrever há mais de 20.000 anos atrás, ele criou uma das formas mais primitivas de inscrição, que foi a artística, para registrar seus feitos durante o dia. O homem caçava algum animal ou apanhava algum fruto e posteriormente registrava em pinturas gravadas nas paredes esses fatos, podendo-se concluir que nascia daí a necessidade de controle da entidade.

Observa-se que a Contabilidade possui algo em comum com a arte, a Escrita e a Matemática, pois são ciências que surgiram ao se usar uma a outra como base para registros dos fatos que ocorriam no dia-a-dia.
Segundo Sá (1997, p. 21), O mais antigo documento dessa época que se conhece parece ser o que nos apresenta Figuier. Foi encontrado na gruta D´Aurignac, no departamento de Haute Garone, na França; uma lâmina de osso de rena, contendo sulcos que indicam quantidades.

2.1.1. Registros do patrimônio
Os fatos anteriormente citados evidenciam uma pequena parcela do que, com o passar dos anos, o homem descobriria sozinho como registrar seus bens usando até então a desconhecida Contabilidade.
Segundo Sá (1997, p. 19) “o nascimento da Contabilidade é o da inscrição de elementos da riqueza patrimonial, passando, aos poucos, a registros de melhor qualidade”.
Há mais de 6.000 anos atrás, o comércio era intenso, o controle religioso sobre o Estado já era grande e poderoso, daí derivando grande quantidade de fatos a registrar, ensejando, também, o desenvolvimento da escrita Contábil.

Todos os registros eram feitos usando-se peças de argila com relação a cada fato, quando surgiu a expressão “meu” e “seu”, de Débito e Crédito, sendo “Débito” (o que alguém tem que me pagar) e “Crédito” (o que eu devo pagar a alguém).
Com o advento do Papiro no Egito, a Contabilidade só teve a ganhar, pois ela pode ter seus registros mais sofisticados passados em Livros Contábeis. A invenção da escrita impulsionou mais a evolução, segundo estudiosos da questão, foi a escrita Contábil que deu origem à escrita comum e não o inverso.

De acordo com Sá (1997, p. 19),Amplo era o uso dos livros na antiguidade clássica, porque ampla era a análise dos fatos, os romanos chegavam a ter um livro de escrituração de fatos patrimoniais para cada atividade que era desenvolvida (livro de fabricação do azeite, livro da fabricação do vinho, livro dos bens patrimoniais, livros das despesas e receitas, e outros).

2.1.2. Partidas dobradas - O registro de um fato em sua causa e efeito fez surgir o que se chama de Partidas Dobradas, sendo que todo Débito equivale a um Crédito e vice-versa.
Existem várias especulações sobre o surgimento desta técnica de Partidas Dobradas, mas seu autor, em verdade, não se conhece.
Vários fatos impulsionaram seu surgimento, entre eles destacam-se o crescimento do Capitalismo nos fins da Idade Média, a aplicação dos números arábicos à escrituração e a maior necessidade de dar relevo às contas do lucro e outros.

Sá (1997, p. 34) afirma que:
A influência da matemática, o fato de a escrita contábil estar atada ao cálculo desde seus primeiros tempos e ter-se intensificado seu ensino nas escolas de matemática, tudo isto nos fez aceitar a força da mente lógica como geradora do processo das Partidas Duplas. O hábito das equações, o valor das matemáticas associadas à contabilidade, pode ser gerado a hábito da igualdade de Débito e Crédito, e esta nos parece uma hipótese bastante forte no campo histórico.

Em novembro de 1494, o franciscano italiano frei Luca Pacioli publicou a primeira literatura contábil “relevante”, consolidando o método das Partidas Dobradas, com expressões de causa e efeito do fenômeno patrimonial com os termos de Débito e Crédito.
O conceito de dualidade freqüentemente utilizado para justificar as partidas dobradas apenas exige que sejam reconhecidos dois lados de cada transação. Isto poderia ser com igual facilidade feito numa única coluna, usando-se sinais positivos e negativos, quanto em duas colunas com débitos e créditos.
Vale salientar que nessa época vários eram os folhetins publicados por diversos autores sobre a contabilidade, mas nenhum foi tão completo quanto ao do frei, sendo que o mesmo não descobriu as Partidas Dobradas, mas sim aprimorou a conhecimento sobre o citado assunto, pois elas já eram conhecidas e usadas desde o século XIII.
Várias são as hipóteses sobre o surgimento das Partidas Dobradas, cada autor o interpreta de um modo. Observando-se esta dificuldade, é difícil e delicado afirmar quem foi o verdadeiro pai das Partidas, pois elas foram evoluindo gradativamente e em cada época os estudiosos aperfeiçoavam-nas conforme suas necessidades.

2.1.3. Surgimento das escolas de contabilidade

Várias são as teses que evidenciam o surgimento e desenvolvimento da Contabilidade. O desenvolvimento econômico acompanha de perto o desenvolvimento Contábil. Em 1920, com a grande ascensão dos EUA, deu-se origem à Escola Norte-Americana.
Com o surgimento das grandes Corporations, principalmente no século atual, adicionando-se o desenvolvimento do mercado de capitais, a Contabilidade encontrou um campo propício para o seu desenvolvimento com teorias e aplicações no campo prático.
Os Estados Unidos herdaram da Inglaterra a tradição de Auditoria, criando lá sólidas raízes.
No início do século XX, a chamada Escola Européia teve sua queda, quando a Escola Norte-americana obteve sua ascensão.

2.1.4. Diferenças entre as escolas européias e norte americanas

Analisando-se o quadro abaixo, pode-se notar as relevantes diferenças entre as duas escolas.

Algumas razões da Queda da Escola Européia (especialmente italiana)

1. Excessivo Culto à Personalidade: grandes mestres e pensadores da Contabilidade ganharam tanta notoriedade que passaram a ser vistos como “oráculos” da verdade Contábil.

2. Ênfase a uma Contabilidade Teórica: as mentes privilegiadas produziam trabalhos excessivamente teóricos, apenas pelo gosto de serem teóricos, difundindo-se idéias com pouca aplicação prática.

3. Pouca Importância à Auditoria: principalmente na legislação italiana, o grau de confiabilidade e a importância da auditagem não eram enfatizados.

4. Queda do nível das principais faculdades: principalmente as faculdades italianas, superpovoadas de alunos.

Algumas razões da Ascensão da Escola Norte-Americana

1. Ênfase ao Usuário da Informação Contábil: a Contabilidade é apresentada como algo útil para a tomada de decisões, evitando-se endeusar demasiadamente a Contabilidade; atender os usuários é o grande objetivo.

2. Ênfase à Contabilidade Aplicada: principalmente à Contabilidade Gerencial. Ao contrário dos europeus, não havia uma preocupação com a teoria das contas, ou querer provar que a Contabilidade é uma ciência.

3. Bastante Importância à Auditoria: como herança dos ingleses e transparência para os investidores das Sociedades Anônimas (e outros usuários) nos relatórios contábeis, a auditoria é muito enfatizada.

4. Universidades em busca de qualidade: grandes quantias para as pesquisas no campo contábil, o professor em dedicação exclusiva, o aluno em período integral valorizaram o ensino nos Estados Unidos.

domingo, 10 de abril de 2016

Conectando com a caixa



Como conferir a GRRF?



A GRRF é a Guia de Recolhimento Rescisório do FGTS. É realizada sua utilização para o recolhimento de importâncias relativas à multa rescisória, aviso prévio indenizado e  aos depósitos do FGTS do mês da rescisão e do mês imediatamente anterior, caso ainda não tenham sido efetuados, assim como contribuições sociais quando devidas.
Todas as pessoas físicas ou jurídicas que tem de fazer recolhimento rescisório do FGTS são obrigadas a utilizar a GRRF. Geralmente, estas ficam por conta do Departamento Pessoal de uma empresa ou pelo departamento financeiro/contador da empresa.
Onde posso conseguir a GRRF?

Possuindo a certificação digital, você pode gerar a GRRF através do arquivo rescisório do Conectividade Social. Para a obtenção da certificação digital, é necessário seguir as instruções do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação.

Como fazer o cálculo da GRRF?
Com o uso do aplicativo, o cálculo é feito de forma automática, de forma segura e precisa, sem muita possibilidade de erro. O aplicativo calcula o valor da multa rescisória, ao aviso prévio indenizado, quando for o caso e ao depósito do FGTS do mês da rescisão e do mês imediatamente anterior, caso ainda não tenham sido efetuados.

Qual a data de vencimento da GRRF?
O vencimento da GRRF é calculado com base no tipo de aviso prévio informado:

Aviso Prévio Trabalhado: mês anterior à rescisão, mês da rescisão e multa rescisória como o 1º dia útil imediatamente posterior à data do efetivo desligamento. Mês anterior à rescisão, este dia útil deve ser igual ou anterior ao 7 do mês da rescisão;

Aviso Prévio Indenizado ou Ausência/Dispensa de Aviso Prévio: até o dia 7 do mês da rescisão. O prazo para recolhimento do mês da rescisão, aviso prévio indenizado e multa rescisória é até o 10º dia corrido a contar do dia imediatamente posterior ao desligamento. Caso o 10º dia corrido seja posterior ao dia 7 do mês subsequente, o vencimento do mês da rescisão e do aviso prévio indenizado ocorre no próximo dia 7.
Saber estas datas irá te ajudar consideravelmente a compreender quando você poderá recolher corretamente seu FGTS e as datas certas para o pagamento de seus direitos.
O programa Conectividade Social faz os cálculos da GRRF automaticamente, facilitando assim a vida de quem precisa saber seus recolhimentos devidos. (Foto: divulgação)

Como conferir a GRRF?
Como o cálculo é feito de forma automática por um aplicativo autorizado e gerido pelo governo, dificilmente o cálculo estará errado. Porém, se você quer pessoalmente conferir os dados da GRRF, você pode seguir os seguintes dados de cálculo:
  • Soma-se o valor (8%) do mês da rescisão com o saldo do FGTS (extrato);
  • Com esse valor você calcula os 40%;
  • O valor que corresponder aos 40% você acrescenta o valor (8%) do mês da rescisão, chegando no valor correto da GRRF.
Vamos exemplificar.
Antes dos cálculos da GRRF, imagine um salário de R$913,50 no seu FGTS, que pode ser conferido diretamente no site da CAIXA. No relatório da GRRF, estarão os seguintes dados:
  • Remuneração/Saldo: mês rescisão = R$200,00; multa rescisória = R$929,50;
  • Depósito: mês rescisão = R$16,00; multa rescisória = R$371,80
  • Contribuição Social: mês rescisão = R$00,00; multa rescisória = R$92,95
  • Valor Trabalhador: R$387,80
  • Valor Devido Empresa: 480,75
Estes valores devem ser compreendidos da forma correta.
  • R$16,00 referente ao FGTS gerado na rescisão (200,00 x 8%);
  • R$ 929,50 obtido através da soma dos R$16,00 com o saldo do FGTS (913,50+16,00 = 929,50);
  • R$371,80 refere-se a 40% sobre o saldo do FGTS atualizado(929,50 x 40% = 371,80);
  • R$92,95 refere-se à contribuição social aplicada sobre à alíquota de 10% (929,50 x 10% = 92,95).
Este último valor não é depositado para o empregado e sim para a Caixa Econômica Federal.

No caso do saque da GRRF, o trabalhador terá direito a sacar/receber o saldo já existente do FGTS + 40% da multa de FGTS, em um total, neste caso exemplificado, de R$387,80 (R$371,80 + R$16,00).

Outra forma de conferir a GRRF é entrar em contato com o sindicato da sua categoria. Eles tem profissionais que podem te ajudar no cálculo correto dos valores devidos, te orientando corretamente para a compreensão melhor da sua GRRF.

Deixamos alguma dúvida com este artigo? Se deixamos, comente no espaço abaixo e nos ajude a entender suas questões para tornar este site ainda mais informativo!

GOSTOU? Então volte sempre a esta página.